Dois jovens empreendedores compraram a cidade de Cerro Gordo, uma cidade fantasma que fica no estado da Califórnia. Cerro Gordo possui muitas minas de mineiro abandonadas. Os jovens investidores pretendem transformar a cidade em um paraíso das criptomoedas e blockchain.

A cidade de Cerro Gordo, foi comprada por US $ 1,4 milhão, no ano de 2018. Segundo o relatório da CNBC, o local é descrito como uma cidade fantasma. Localizada a aproximadamente 300 quilômetros ao norte de Los Angeles, Califórnia. Cerro Gordo fica perto do Parque Nacional do Vale da Morte, cercando as Montanhas Inyo do Vale Owen.

Como informada pela CNBC, a cidade foi comprada por Jon Bier, proprietário da agência de relações públicas e comunicações Jack Taylor PR. E Brent Underwood, anfitrião e fundador do albergue HK Austin em Austin, Texas.

O objetivo dos empreendedores é transformar Cerro Gordo em um ponto turístico moderno, preservando os conceitos da antiga cidade mineira. O comercio da cidade vai ter o Bitcoin e outras criptomoedas, como moeda principal de troca, influenciando os turistas a fazer pagamentos com as moedas digitais.

De fato, a visão de Taylor e Brent inclui incorporar o Bitcoin e sua tecnologia blockchain, para tornar Cerro Gordo um refúgio para a comunidade de criptografia, onde os visitantes podem negociar bens e serviços.

Os empreendedores também estão planejando construir um centro de mineração de criptomoedas, em um antigo poço de mina, com cerca de 335 metros de profundidade.

Taylor e Brent planejam introduzir tecnologia da blockchain, em um sistema de conservação de água, para obter a energia necessária de fontes de energia solar e outras fontes renováveis ​​de energia.

A MINERAÇÃO DE CRIPTOMOEDAS AINDA É LUCRATIVA

Apesar das flutuações de preço do Bitcoin, e do fato de que mais de 80% das moedas já foram mineradas, os empresários ainda veem a mineração de criptomoedas como um negócio lucrativo. Nesse sentido, áreas abandonadas e remotas do mundo parecem ser o foco de investidores para instalar suas minas digitais.

Por exemplo, no ano passado, o BitRiver lançou uma fazenda de mineração perto de Bratsk na Sibéria. O BitRiver agora se tornou a maior instalação de mineração de Bitcoin da Rússia. Nesse empreendimento, o bilionário russo Oleg Deripaska combinou a tecnologia de mineração de criptografia com uma das maiores fábricas de alumínio da era soviética.

Da mesma forma, como relatou o Bitcoinist, a Russian Mining Company (RMC) de Dmitry Marichinev, em um esforço para aumentar a mineração de Bitcoin em toda a Rússia. E ainda explorando o Nadvoitsky Aluminium Smelter (NAZ) na Carélia.

A conversão de antigas plantas de alumínio em hubs da indústria de criptografia também é de interesse nos EUA. Em outubro passado, a Bitmain operadora das maiores piscinas de mineração de criptomoedas, lançou uma fazenda de mineração de 50 MW em Rockdale, Texas. O objetivo da Bitmain é tornar essa fazenda a instalação de mineração mais significativa do mundo. De acordo com o comunicado de imprensa de 21 de outubro de 2019,

A construção dos 25 MW iniciais da fazenda de mineração, em um local de 33.000 equitares, pertencente à Aluminium Company of America, Alcoa, começou em 2018 como parte dos planos em andamento da empresa para construir a maior mina de criptomoeda do mundo.

Leia Mais: XRP vai terminar 2019 com um dos piores desempenhos do ano

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui